sexta-feira, 17 de junho de 2016

ELE PODE NÃO TE BATER, MAS...

Relacionamento é nos dias atuais a chave para o sucesso profissional, acadêmico e familiar. Nunca na história da humanidade manter bons e duradouros relacionamentos foi tão difícil e importante. Vivemos um tempo em que passamos mais tempo sendo virtuais que pessoais. Não olhamos mais nos olhos das pessoas, pois estamos próximos e distantes ao mesmo tempo. Próximos para falarmos coisas que queremos falar para de alguma forma sermos beneficiados e distantes porque não há o olhar, o toque, o comprometimento real e verdadeiro.

Quero dizer que há quem se envolve com as pessoas, mas não se compromete com elas. Muitos relacionamentos estão pautados no benefício ou proveito próprio. De mãos dadas a isto vem o egoísmo, o orgulho e a altivez, como consequência a frustração, decepção e reprovação.


Isto fica mais evidente nos casamentos, que começam com juras eternas de amor dedicadas em horas e horas de facebook, whatssap e outras redes sociais. E acabam por ter dias com demonstrações extremas de desprezo e reprovação. O que leva algumas vezes ao divórcio e em outras vezes a uma vida de humilhações.

Li um texto cujo título dedicava as mulheres o seguinte: Ele pode não te bater, mas... com relatos de muitas mulheres que sofreram algum tipo de violência emocional. É assustador a quantidade de feridas abertas por palavras ditas por uma pessoa que, a princípio prometeu te amar.


Por isso, hoje quero falar de mulheres que entraram, estão ou já passaram por relacionamentos como este. Mulheres que não levaram um tapa físico, mas que vivem ou viveram dias de tortura psicológica e emocional terríveis. Mulheres que já nem se reconhecem mais, que abriram mão de viver suas potencialidades, anularam suas perspectivas de vida e enclausuram seus sonhos.

É tempo de libertação! E quem tem a chave das algemas é você!  Reconhecer que tem permitido que seu cônjuge a trate como se fosse inferior ou sem importância. Reconhecer que tem se comportado como alguém sem valor e sem perspectiva. Reconhecer que a primeira pessoa que tem que te amar e respeitar, é você mesma.


Olhar no espelho e acreditar em suas potencialidades, parar de se criticar, procurar defeitos, e recomeçar. Perdoar a si mesma, dizer para si mesma o quanto é preciosa e o quanto pode ser feliz e realizada. Olhar para dentro de si e se ver dentro da prisão que você mesmo fez para se proteger, mas que agora lhe limita e priva de liberdade, abrir a porta e te convidar a sair. É tempo de valorização, de olho no olho, mas primeiro você com seus olhos. Passar confiança e força para si mesma.


Não arrume desculpas ou culpados, não procure vingança ou devolver na mesma moeda. Você deve se libertar e não buscar outras formas de prisão. Na Bíblia você encontra no Novo e no Antigo Testamento: Amarás ao teu próximo como a ti mesmo. (Marcos 12.31, Levitico 19.18). Se você se amar conseguirá amar ao próximo, por consequência estará sempre protegida de qualquer palavra que diga que você não é digna de ser amada. Logo outro também se sentirá amado e mudará sua atitude. Na Bíblia em Provérbios 15.1, está escrito que a palavra branda acalma o furor. Uma vez você consciente de quem é e cheia de amor próprio, sua vida, mente, alma e coração estarão protegidos. Nada vai tirar de ti a alegria de viver e a certeza de que é amada. Sua atitude muda a atmosfera ao teu redor. Seu cônjuge vai te ver através dos teus olhos.


Deus te deu talentos, Ele te ama e quer ver você feliz!Posiciona-se como alguém de valor e cheia de habilidades. Motive-se, seja feliz agora!

Ele pode não te bater, mas também eu não permitirei que o que ele diz entre em meu ser. Eu sei quem sou e do que sou capaz. Eu sei quem eu sou e porque estou aqui. Eu me amo! Sou linda! Sou eu quem determina o que vai entrar em minha vida e o que não vai entrar. Sou amada do Senhor Jesus e Nele está minha confiança, com Ele posso todas as coisas. Tudo ao meu redor vai mudar, meu cônjuge vai mudar. A felicidade bateu em minha porta, eu deixei ela entrar e não permitirei que ela saia.

Texto escrito por Sandra Lopes
Pastora, Psicóloga, Colunista e Palestrante do Projeto Virtuosas

 Link da reportagem citada: http://www.bolsademulher.com/comportamento/ele-pode-nao-te-bater-mas-campanha-choca-ao-mostrar-outras-formas-de-violencia
Comentários pelo Facebook
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário