quarta-feira, 18 de novembro de 2015

Relacionamento e as mídias sociais


Esse tempo vivido pela sociedade de hoje, tem colocado, empurrado, refugiado a população para a condição estar só. Isso a cada dia tem sido mais e mais comum. Sozinho com seu celular, com seu tablete, computador ou mesmo o televisor. As pessoas pensam não estar sozinhos, que tem muitos amigos, que há muitos que se preocupam e se importam com ele. No dia do aniversário, recebe muitas felicitações, mais de 500 quem sabe e diz: veja como sou querido, importante, lembraram de mim, eu sou o cara, veja quantas curtidas. Esquece porém que na realidade talvez 90% dessas felicitações vem de pessoas que estão a quilômetros de distância, e que talvez 50% delas nunca viu na vida.
O ser humano anda iludido com a fantasia de pertencimento a distância, quando na verdade anda cada vez mais solitário. Preso a aparelhos que exercem domínio intenso sobre a administração das horas do seu dia a dia.
Hoje é dedicado mais tempo para as mídias sociais, para as amizades virtuais que com os amigos relacionais, que convivem em mesmos ambientes ou próximos. O cativeiro da solidão está disfarçado, privando as pessoas de momentos de integração, de contato com a natureza, de contato olho no olho.
Se contar nas inúmeras máscaras, mentiras, fingimentos, e enganos. Relacionamentos superficiais, sem profundidade. Que muitas vezes colocam fim em relacionamentos reais. Não foram poucos os casamentos que receberam a influência negativa das mídias sociais.
Há aqueles que se utilizam das mídias sociais para manter controle sobre alguém. Querem ser onipresentes, estar o tempo todo controlando, dizendo o que o outro deve ou não fazer. Norteiam sua vida por aquilo que imaginam, ficam o tempo todo conectados.
Há aqueles que querem se promover através das mídias sociais. Utilizam as mesmas para dizer, onde, quando, porque irão fazer algo. Para de alguma forma ter a atenção do maior número possível de pessoas. Numa busca incessante por sentir-se valorizado, respeitado. “Me vejam, me curtam, me adorem”.
Já é tempo de refletir e reestabelecer os valores. O que é mais importante em nossa vida? No que queremos dedicar mais tempo? Para quem? Será que conseguimos ficar um dia desconectados das mídias sociais e conectados as pessoas que nos cercam? Será que conseguimos sair de casa para fazer uma visita, conversar com alguém olho no olho sem preocupar-se se tem wifi?
Desafie-se, proponha tirar tempo para as pessoas que você ama, vá estar com elas.  Desligue o celular, fique off-line. Não se iluda, estar apenas conectado não é o suficiente. Estar de corpo presente tem um significado superior, gera completude, intimidade, relacionamentos reais e profundos.
A solidão que tão de perto rodeia e promove sorrateiramente a depressão, a ansiedade, o controle, o ciúme e ainda dá falsa ideia de pertencimento, será desmascarada.
E a busca por relacionamentos realmente significativos serão prontamente reestabelecidos. Os valores serão reorganizados por prioridade, por aquilo que é verdadeiramente essencial. E todos terão tempo para viver a Vida.

Texto escrito por Sandra Lopes
Pastora e Psicóloga
Direitos Reservados
Comentários pelo Facebook
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário