quarta-feira, 10 de setembro de 2014

De Mulher para Mulher



O poder do foco


É bem provável, que neste exato momento, meu texto está disputando sua atenção com uma série de outras coisas, interessantes ou não, pois, nos últimos anos, temos nos tornado mais "multitarefas". E mesmo os mais resistentes parecem sucumbir aos esforços de uma sociedade que nos impele a funcionar na velocidade da informação.

Basta ligarmos a televisão, num telejornal qualquer, para termos a exata dimensão daquilo em que se transformou a vida do homem contemporâneo. Enquanto o jornalista fala sobre o último escândalo da política, o rodapé da tela da sua TV exibe quatro notícias diferentes em movimento contínuo (o que faz com que você, inadvertidamente, acabe lendo cada notícia umas duas vezes pelo menos). Isso sem falar da cotação do dólar no canto superior direito da tela, acompanhada da taxa selic e das temperaturas (mínima e máxima, é claro!) no outro canto.

Porém, nosso cérebro é uma máquina limitada e não conseguimos processar todas as informações do ambiente que nos rodeia. E mesmo essa maravilhosa (?) característica multitarefas, que adquirimos nos últimos anos, cobra de nós um alto preço, de diminuir nossa capacidade de nos aprofundarmos nas coisas que percebemos. Em outras palavras, nos tornamos mais "rasos", ganhamos em quantidade, mas perdemos em qualidade, o que, talvez, esteja nos conduzindo não apenas a um empobrecimento cultural, mas também social, na medida em que as próprias relações humanas tendem a ser mais numerosas e superficiais. Afinal, um profundo relacionamento com seres humanos falíveis, complexos e contraditórios realmente é capaz de dar muito trabalho. E talvez nos exija atenção redobrada.

A Psicologia Cognitiva sempre soube que o ser humano não se comporta em relação à realidade objetiva, mas, sim, em relação à sua percepção acerca dessa realidade. Isso significa que o foco para o qual direcionamos nossa atenção se torna a nossa própria realidade. Esse fato guarda, em si, enormes implicações em nossa qualidade de vida.

Se por um lado qualquer tentativa no sentido de parar esse ritmo alucinante do mundo contemporâneo é inútil, por outro precisamos, ainda que por alguns instantes, diminuir esse ritmo e, num esforço consciente, direcionar nossa atenção à aquilo que mais vale a pena: nosso projeto de felicidade.

Steve Jobs, no período em que adoeceu, antes de partir, escreveu muitos textos interessantes que foram divulgados na mídia, sobre suas reflexões de vida, e dentre suas citações houve uma que fez muita gente refletir. Disse Jobs: - Foco é dizer não. Portanto, tenhamos bastante foco em nossos planos, pessoais e profissionais, sabendo dizer não de forma estratégica, e sabendo dar continuidade, para atingirmos nossos objetivos, e, sobretudo sabendo diferenciar o estar concentrado de estar focado!


Texto Escrito pela Psicóloga Ada Melo
Para o Projeto Virtuosas
Direitos Reservados




Comentários pelo Facebook
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário